Fim de tarde.. Praia de Alvor

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Sobreviver...

Rasga as ondas
Sente o sal que queima a tua pele
Sente o teu sangue quente
Sente o fel das lágrimas que te rasgam
Ouve… não quero paz
Não quero mais esta estúpida calma

Quero sentir, quero amar
Ladear o vento,
Sentir sem consentimento
Imaginar mares e terras
Saltar tempestades e degredos
Deixar cair todos os segredos
E ser eu apenas

Valsa cambiante
Vida infernal
Tango eloquente
Deixa-me ser mulher
Ser eu, louca,
Terna, sensual.

Deixa que agarre a tua mão
Vamos amar sem fim
Eu a ti e tu a mim
E que todo o riso e o canto
esmaguem para sempre
O choro, a dor e o pranto

Anda… desdenha o teu iludir,
Não queiras o que já tens,
O que vives não te aquece,
Não te dói, não te faz sentir,
Diz-mo ou desaparece

Luta por mim...
Sobreviver não me apetece....

5 comentários:

  1. Cada um é como cada qual, mas...se fosse mais sucinto
    deporia nele todas as rosas que restam do viveiro primaveril.
    Assim,deixo as que tenho.
    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Belíssimopoema.
    Gosto tanto de poesias... esta música de palavras que falam dos mais variados sentimentos.
    Abraços

    ResponderEliminar
  3. Gostei da expressão de insatisfação desse Amor...

    ResponderEliminar
  4. Apetece-me sobreviver, não me apetece subviver
    Com este poema apetece-me lutar-te
    Obrigado

    ResponderEliminar
  5. Adorei "escorregar" pelo Poema ...
    Fantástico ...

    ResponderEliminar